terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Cold War Kids - Hospital Beds



Dizem por aí que as músicas mais chatas e irritantes são aquelas que grudam na cabeça. Eu discordo. Talvez seja verdade que muitas músicas consideradas ruins infelizmente ocupam às vezes um espaço em nossa mente, enquanto lutamos para expulsá-las cantando o refrão de boas músicas na tentativa de substituir Claudia Leite por Guns N’ Roses. No entanto, muita música boa parece ter chiclete em sua composição, grudam em nossas línguas e se repetem por semanas em nosso mp3 mental.
Se há alguma fórmula para uma música se instalar no nosso cérebro por muito tempo, essa eu não sei, mas parece que a banda americana de indie rock COLD WAR KIDS sabe e abusa dessa fórmula. Com seu álbum de estréia ROBBERS & COWARDS, a banda apresentou ao mundo em 2006 uma obra lotada com essas músicas que grudam e monopolizam suas cantorias mentais, e com uma vantagem incrível: as músicas são excelentes!
HOSPITAL BEDS, o segundo single do álbum, é uma prova que Cold War Kids produz músicas com genialidade e a tal fórmula chiclete. Talvez o segredo esteja no ritmo das músicas, sempre marcantes em cada canção da banda, que são assimilados com facilidade pelo ouvinte. Consistem na repetição de um som criado por instrumentos que variam de canção a canção, que se mostram presentes em toda a música. No caso de Hospital Beds, a música é marcada pelo teclado. O mesmo que inicia a canção é uma marca para toda ela, cria todo o clima soturno para a melodia, acompanhado pela voz diferente e ao mesmo tempo bem aceita do vocalista Nathan Willett.
Na letra de Hospital Beds, temos uma persona desesperançosa que descreve em poucas palavras e algumas metáforas como é estar em uma cama de hospital. Pode parecer um tanto doentio uma música sobre essa situação, no entanto a espontaneidade de Cold War Kids permite que eles façam música de diversos assuntos com originalidade.
Talvez as músicas de Cold War Kids não grudem em nossas cabeças devido a alguma fórmula que resulte nisso. Talvez as músicas sejam apenas boas o suficiente para que a gente grude nelas, cantando por repetidos dias refrões como o de Hospital Beds.
“Put out the fire boys, don’t stop, don’t stop”.

17 comentários:

Rodz Online disse...

Muitas músicas de Hard Rock tem refrões que são verdadeiros chicletes e nem por isso são ruins o que não vem ao caso do exemplo supra-citado...

Fabio T. disse...

Depois dá uma procurada em "1973 - Tahiti Boy & The Palmtree Family", é uma música boa e o clipe também é muito legal, recomendo!

Mas pra falar a verdade eu acho que músicas que grudam na cabeça são as piores, principalmente por ficarem repetindo, enche o saco, hahaha!

Abração!

L.M. disse...

Oi Gabriel
vc é uma fofura...
obrigada querido pela mensagem, tb te desejo um otimo 2010 com mto amor, paz e q os nossos blogs bombem muito, nao é mesmo?

bjssssss
lu
www.oguiadeparis.blogspot.com
www.bobogema.blogspot.com

Vini e Carol disse...

Bom, não tinha escutado essa música haha' mas me pareceu legal de ouvir de cara, porém não me pergunte porque mas acredito que não seria uma música que grudaria em minha cabeça, talvez por não ser muito meu estilo.

Beijos, Carol.

Schraubles!

LADY DARK ANGEL disse...

EU TBM QUERO APRENDER A VOAR RSRSR
AS PIORES MUSICAS GRUDA M NA CABEÇA RAPIDAO,AS PIORES TAO NA MINHA MENTE
]TO LEMBRANDO DELAS AOGORA,TORTURA,VOU VER SEU VIDEO BJOS
FELIZ ANO NOVO

Daniel Silva disse...

legal a proposta do blog, cara. vejo que está començando e espero que tenha longa vida.

sucesso!

Inez disse...

Gostei muito do post, músicas boas não grudam na nossa cabeça porque como você mesmo disse nós é que grudamos nela.

Inez disse...

Gabriel
Concordo com você quando diz que o diploma não é garantia de competência, mas, é a única garantia que a empresa tem ao contratar um funcionário que ele investiu no desenvolvimento de suas habilidades e competências.

.Txia. disse...

Que belo texto! depois voce me ensina a fazer uma resenha assim? :)








www.nayrabastos.blogspot.com

MaisEstudo disse...

Olá, Gabriel!

Nos desculpe pela demora, mas estávamos em férias coletivas por aqui. Sim, já somos parceiros, porque não?! Da mesma forma, desejamos um excelente 2010 para você e para seu blog (é claro!).

Agora, sobre o post, confessamos que ninguém aqui conhecia Cold War Kids. Porém, como já dissemos, amamos música e novas bandas/músicas/estilos são sempre bem vindos. Valeu a dica!

Gabriela disse...

muitas músicas parecem ter chiclete na composição mesmo rs
vou ouvir essa do cold war kids

Paulo disse...

Jóia: Finalmente um blog de música que não apenas coloca o vídeo do youtube, diz duas ou três palavras e pronto.
Vc, cara, escreve BEM sobre música. Sabe o que está dizendo. E pra arrematar, caramba: Puta gosto musical !!!!!
Valeu de monte.
Abraços.
Paulo.
http://vazamentosdevapores.blogspot.com

baobah disse...

i'm BACK :)

o post tá ótimo, docinho, masainda prefiro "we used to vacation"

beeeijos

Ivani disse...

e eu ainda comentei no dela q vc tava dando força na comu p pagina dela...

HAUAHUAHAUAHUAHA

espera que eu vou ler pra escrever algo descente!

Ivani disse...

Eu como boa soteropolitana assino embaixo!
Não digo nem tanto do axé que rola por aqui mas uma junção de letra de funk com pagode que não sai dos nossos ouvidos.
Parece que quanto mais refrão, mais se agarram nos neurônios..

Juliana disse...

o segredo da música chiclete ruim é a capacidade (ou a falta dela) de criar apenas 3 versos pra música inteira. eles ficam repetindo, repetindo, repetindo... não tem como não ficar na cabeça!

essa música realmente fica na cabeça hm
uma coisa que contribuiu NESSE caso, pelo menos pra mim, é o jeito como ele canta. é com emoção, você SENTE cada palavra pronunciada. é a mesma coisa com gap! não é uma música 'gritada', mas o jeito com que a letra é pronunciada é bem forte, marca bastante.
isso também é bem a minha cara, mas outra coisa que ajudou é o fato dela não ser totalmente animada e nem totalmente lenta. esse meio termo (e o puxado pro lado lento, também) é o que mais costuma ficar na minha cabeça. depois daquelas músicas infernais que meus vizinhos tocam, claro ISDAUHSDUAHSDAIUSAD

Ítalo Richard disse...

Ops! achei o post que vc me sugeriu, bem bacana. De fato, nem todas as músicas que grudam em nossas cabeças são ruins. Falo isso porque como grande fã da banda Pato Fu, que me deixou louco diversas vezes com suas músicas hits e chicletes, e mesmo se repetindo em meu MP3 mental não deixaram de ser legais, inclusive figurando entre as minhas favoritas. E essa batida do Cold War Kids, é chiclete hein?! rsrsrs

Postar um comentário